BLOG UNIGRANRIO

Saiba mais sobre a UNIGRANRIO. Descubra porque investimos no futuro e inovamos tanto em ofertas de cursos, quanto em infraestrutura que apoia sua formação.

Todos os Posts

Dia Internacional da Visibilidade Trans: Por mais representatividade e redes de apoio.

Rejane Prevot afirma que ainda há muito para ser orientado e dito, mas que os espaços já ocupados pela população trans são de extrema relevância

O dia 31 de março marca o Dia Internacional da Visibilidade Trans 👏. Pesquisadora e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Unigranrio, Rejane Prevot, que é mãe de uma adolescente trans, pesquisa questões de gênero no ambiente de trabalho, com foco em mulheres e na  comunidade LGBTQIA+. Para Rejane, uma questão principal que afeta muito o âmbito familiar da população transgênero é a solidão dos pais que, ao se depararem com a situação de terem um filho ou uma filha trans, não encontram amparo, apoio da família e nem da sociedade.

 

Pesquisadora Rejane Prevot e sua filhaPesquisadora Rejane Prevot e sua filha

 

Segundo a acadêmica, outro tema relevante e que deve também ser debatido na data, é a falta de acesso de jovens trans ao mercado de trabalho. Muitas pessoas transgênero conseguem emprego, mas como a maioria das empresas não têm políticas de inclusão definidas, com treinamento e conscientização, há um descompasso entre as políticas de contratação e as ações do dia a dia. Assim, as pessoas terminam sem conseguir levar o trabalho adiante.

“Existem os jovens que são expulsos de casa, das escolas, que são espancados, que precisam se prostituir para sobreviver e os que estão em situação muito precária”, analisa Rejane. Segundo ela, a representatividade de pessoas trans que conseguem driblar a invisibilidade e chegar a posições de destaque, como por exemplo a Lina, que está no Big Brother Brasil, é muito importante para todas as pessoas trans. “Qualquer caso de projeção significa uma enorme representatividade”, completa. Manuela, filha da Rejane, quer fazer Direito para ser juíza motivada pelo fato de que, atualmente no Brasil, não existe nenhum juiz ou juíza trans. 

No Rio de Janeiro só existe um centro de tratamentos médicos especializados em transgeneridade, pelo SUS, com mais de 500 pessoas na fila para atendimento atualmente. Rejane denuncia que há ainda os casos das pessoas que se reconhecem transgênero, mas não possuem acesso ao tratamento de hormonização e acabam se automedicando, o que representa um enorme perigo e problema de Saúde Pública. “Cada organismo funciona de uma forma e precisa de um tratamento específico”, conclui ela, reforçando a relevância de uma agenda para a causa. 

 

Nos conte nos comentários se já viveu ou presenciou alguma situação de desrespeito ligada ao tema abordado 👇

Posts Relacionados

Clínica de Traumatismo Dentário e Núcleo de Acolhimento de Minorias, Mulheres e População LGBTQIA+

Episódios de traumatismo dentário são frequentes no cotidiano. A face é uma região corporal bem exposta a lesões de acidentes. Traumas dentários são considerados problemas de saúde pública, lado a lado com doenças orais, como cárie e câncer bucal (Almeida et al., 2020), sendo ainda, condições de urgência verdadeira nos atendimentos odontológicos (POST et al., 2021).

Curso de Direito participa do 150º Período Ordinário de Sessões da Corte IDH

Entre 22 e 27 de agosto, a Corte Interamericana de Direitos Humanos se reuniu em Brasília para o 150º Período Ordinário de Sessões. Houveram 4 audiências públicas no Superior Tribunal de Justiça (STJ) de casos envolvendo Equador, Argentina, Peru e México.

Coordenação do NAPED participa do Evento STHEM Brasil

Ensinar não é uma tarefa fácil. O professor instrui, corrige, apresenta caminhos e possibilidades. E para realizar essa tarefa, é necessário aprender a ensinar. O Núcleo de Apoio Pedagógico e Experiência Docente da Unigranrio Afya (NAPED), tem como objetivo geral contribuir para que a ação pedagógica se torne mais significativa apoiada em ferramentas teórico-práticas que possibilitem aos professores pensar suas experiências vividas como sujeitos da educação, como profissionais responsáveis pela formação de outros profissionais.